Português

Franco Galvão e o violão Lineu Bravo

O músico conheceu o trabalho do luthier através do contato que teve com os professores e músicos da Escola Portátil de Choro do Rio de Janeiro

 

Foto: Paula Poltronix

Foto: Paula Poltronix

Franco Galvão, que adquiriu o violão Lineu Bravo em 2015, conheceu o trabalho do luthier através do contato que teve com os professores e músicos da Escola Portátil de Choro do Rio de Janeiro. Depois, foi se dando conta de que João Bosco, Guinga, Marco Pereira e outras figuras importantes também tinham o violão de Lineu.

Franco deixou um depoimento sobre seu violão construído pelo luthier Lineu Bravo:

“O violão do Lineu é um arraso! Estava gravando no Rainbow Studio, um dos estúdios mais incríveis do mundo para jazz e música instrumental, e o técnico de som elogiou muito o violão, dizendo que o violão tinha uma quantidade incrível de informações no registro grave. Ele definiu o violão como um instrumento de altíssimo nível! E olha que ele estava ouvindo o som do violão passando por um microfone Sony de 12 mil dólares e por um equipamento de processamento de som que custa o valor de uma casa, ou seja, dava para ter certeza que o som é bom mesmo!”

 

Sobre a carreira de Franco Galvão

Franco Galvão foi ritmista e, posteriormente, mestre do grupo de percussão Bateria Alcalina entre 2009 e 2013, e desde 2009 é ritmista e membro do Bloco Cultural União Altaneira. Também já oi ritmista da bateria da Escola de Samba Grêmio Recreativo Nenê de Vila Matilde;

Já gravou violão em diversos trabalhos, entre eles Eu sou Sinhá, de Sinhá Rosária, e Peço Licença, de Ivone Cerqueira.

Em 2014, foi premiado em terceiro lugar pelo Prêmio Nabor Pires, acompanhando o bandolinista André Ribeiro. E em 2014 e 2015, como produtor cultural, idealizou e realizou o VII Encontro de Choro da Unicamp e o 1º Encontro de Choro de Campinas, eventos de oito dias de duração com aulas práticas, teóricas e apresentações musicais, em que participaram Nailor Proveta, Antonio Carrasqueira, Monica Salmaso, Mauricio Carrilho, Paulo Aragão. Em 2019, gravou o CD Espera, em parceria com Fernando Sagawa.
Em paralelo à carreira de músico, Franco Galvão é graduado e mestre em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual de Campinas.

 

Sobre Lineu Bravo

Lineu Bravo é luthier autodidata, apreciador de boa música. Desde cedo, desenvolveu intimidade com a madeira na marcenaria do pai. Construiu o primeiro instrumento aos 14. Desde então, seus violões, cavacos, bandolins e violas têm ido parar nas mãos de grandes músicos. Guinga, Zélia Duncan, Marcus Tardelli, Marco Pereira, João Bosco, Yamandú Costa, Chico Buarque, Ulisses Rocha, Hamilton de Holanda, Ângela Muner, Rogério Caetano, Mauricio Carrilho, Luciana Rabello, João Lyra, Mauricio Marques, Edson Lopes, Alessandro Penezzi, Juarez Moreira, Fernando César, Jayme Vignoli, Flávio Apro, Giacomo Bartoloni, Swami Jr, Rosa Passos, Ana Carolina, Zé Paulo Becker, Douglas Lora e todos os integrantes do Quarteto Maogani são alguns deles.

Informações

A oficina de Lineu Bravo Luthier está localizada em Taubaté, na região do Vale do Paraíba, a 130 quilômetros de São Paulo.

Informações: lineu@lineubravo.com.br

 

Confira depoimento de Ivan Melo sobre violão Lineu Bravo

Ivan relembrou o dia em que foi buscar seu violão no atelier do luthier Lineu Bravo, em 2016

65267056_447112232786001_7458643626506916863_n

O músico Ivan Melo, brasileiro estabelecido em Londres, e que recentemente lançou seu primeiro álbum chamado “Caboclo”, publicou uma antiga foto para relembrar o dia em que foi buscar seu violão no atelier do luthier Lineu Bravo, em 2016.

Ivan deixou um carinhoso depoimento sobre seu instrumento construído pelo luthier de Taubaté: “Para ser honesto, nunca achei que pudesse ter um violão do Lineu Bravo. Ele fez os instrumentos de grandes artistas brasileiros como Guinga, Marcus Tardelli e Yamandu Costa. Nos falamos pelo telefone e parecia que eu estava falando com um velho amigo. Apesar da sua longa lista de espera, ele construiu meu violão em tempo record.”

 

Sobre Ivan Melo

O violonista Ivan Melo nasceu no Brasil e, desde 2011, mora em Londres, onde já se apresentou em locais de prestígio, como as Paraolimpíadas de 2012, QueenElizabeth Hall e Richmond Theatre. Já fez parcerias com Iron Maiden e com o ganhador do Grammy Snarky Puppy. Atualmente, ele dá aulas de violão, compõe e faz apresentações solo e com o grupo Hans Prya. Tudo isso em companhia de um violão 7 cordas que o luthier Lineu Bravo construiu para ele em 2016.

 

Sobre Lineu Bravo

Lineu Bravo é luthier autodidata, apreciador de boa música. Desde cedo, desenvolveu intimidade com a madeira na marcenaria do pai. Construiu o primeiro instrumento aos 14. Desde então, seus violões, cavacos, bandolins e violas têm ido parar nas mãos de grandes músicos. Guinga, Zélia Duncan, Marcus Tardelli, Marco Pereira, João Bosco, Yamandú Costa, Chico Buarque, Ulisses Rocha, Hamilton de Holanda, Ângela Muner, Rogério Caetano, Mauricio Carrilho, Luciana Rabello, João Lyra, Mauricio Marques, Edson Lopes, Alessandro Penezzi, Juarez Moreira, Fernando César, Jayme Vignoli, Flávio Apro, Giacomo Bartoloni, Swami Jr, Rosa Passos, Kiko Loureiro, Arthur Nestrovsky, Ana Carolina, Zé Paulo Becker, Douglas Lora e todos os integrantes do Quarteto Maogani são alguns deles.

Informações

A oficina de Lineu Bravo Luthier está localizada em Taubaté, na região do Vale do Paraíba, a 130 quilômetros de São Paulo.

Informações: lineu@lineubravo.com.br

 

Depoimento do músico Raphael Gimenes sobre o violão Lineu Bravo

RAPHAEL-8 alta qualidade

 

O músico Raphael Gimenes adquiriu o violão Lineu Bravo em julho de 2017 quando estava de passagem pelo Brasil. Ele conheceu o trabalho do luthier pela internet e através de outros músicos. Conheceu o violonista Daniel Marques, também cliente de Lineu Bravo, que falou do luthier para o músico. Além dele, outros músicos da UFMG, onde estudou por um semestre, em 2014, também indicaram Lineu a Raphael.

Raphael passou 5 meses viajando pela América do Sul (Bolívia, Peru, Chile e Argentina) com o violão, escrevendo novas músicas, que são a base de seu segundo disco. Em 2018 e 2019, ele fez turnês pelo Japão, Argentina e Brasil com o violão Lineu Bravo.

Depoimento de Raphael Gimenes sobre o violão Lineu Bravo  

 “O violão do Lineu tem um som impressionante. Todo mundo que me escuta tocando diz isso. Muito límpido, ressoa muito bem, parece água correndo e tocando pedras lisas numa manhã de sol. Esteticamente, o violão é lindo também, cor de terra, e é o violão que mais gosto. Todo o meu segundo disco, que está em fase de gravação, é tocado nele.”

 

Sobre a carreira de Raphael Gimenes

 

O músico Raphael Gimenes nasceu em Recife e deixou sua cidade natal quando ainda era adolescente. Ele viveu nos Estados Unidos, Suécia, Salvador, Belo Horizonte, e atualmente vive na Dinamarca há mais de 10 anos.

 

Seu primeiro disco, “Raphael Gimenes & As Montanhas de Som”, foi lançado na Europa e na Ásia, sendo eleito o “melhor disco brasileiro de 2016” na Holanda e chamado de “obra-prima conceitual” no Japão. O disco também ficou entre os 10 melhores de 2016 no site Written in Music.

 

As composições, que combinam elementos do folclore brasileiro com harmonias modernas, levam o ouvinte para dentro das montanhas e selvas brasileiras.

 

No momento, está gravando seu segundo disco, “América do Sol”, com canções em português e espanhol, além de um EP em inglês. Fez recentemente uma turnê na Argentina e no Brasil, onde também fez gravações com músicos locais para o seu segundo disco, incluindo a cantora brasileira Ilessi.

 

Sobre Lineu Bravo

Lineu Bravo é luthier autodidata, apreciador de boa música. Desde cedo, desenvolveu intimidade com a madeira na marcenaria do pai. Construiu o primeiro instrumento aos 14. Desde então, seus violões, cavacos, bandolins e violas têm ido parar nas mãos de grandes músicos. Guinga, Zélia Duncan, Marcus Tardelli, Marco Pereira, João Bosco, Yamandú Costa, Chico Buarque, Ulisses Rocha, Hamilton de Holanda, Ângela Muner, Rogério Caetano, Mauricio Carrilho, Luciana Rabello, João Lyra, Mauricio Marques, Edson Lopes, Alessandro Penezzi, Juarez Moreira, Fernando César, Jayme Vignoli, Flávio Apro, Giacomo Bartoloni, Swami Jr, Rosa Passos, Ana Carolina, Zé Paulo Becker, Douglas Lora e todos os integrantes do Quarteto Maogani são alguns deles.

Informações

A oficina de Lineu Bravo Luthier está localizada em Taubaté, na região do Vale do Paraíba, a 130 quilômetros de São Paulo.

Informações: lineu@lineubravo.com.br

Carreira do violonista e compositor Glauber Seixas, cliente de Lineu Bravo

Glauber Seixas/ Foto: Silvana Marques

Glauber Seixas/ Foto: Silvana Marques

 

O músico Glauber Seixas, nascido em Ourinhos, estado de São Paulo, começou a tocar bem cedo, aos 13 anos. Ele é violonista e compositor, e também estudou piano e saxofone

​Em 2002, estudou violão em oficina do “Festival de Música de Ourinhos” e, em 2007, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde passou a estudar na EPM (Escola Portátil de Música), tendo aulas de violão com Mauricio Carrilho, também cliente de Lineu Bravo.
Já trabalhou como monitor de aulas de violão da Escola Portátil de Música (EPM), e atua como professor de violão da oficina de “Canto de samba e choro”, ministrada pela cantora Amélia Rabello.

 

Acompanhou, ao longo de sua carreira, diversos artistas em shows e saraus, entre os quais Joel Nascimento, Maurício Carrilho, Paulo Aragão, Zé Menezes, Maria Bethânia, Teca Calazans e Amélia Rabello.
Ao lado de Julião Pinheiro, Rafael Mallmith, Ana Rabello, Marcus Thadeu e Tiago Souza passou a integrar o grupo de choro Regional Carioca, e lançaram em 2010 o CD “Regional Carioca Volume II” pela gravadora Acari Records.
Em 2011, integrando o grupo Camerata Brasilis (ao lado de Pedro Aune, Maria Souto, Luís Barcellos, Aline Gonçalves, Vítor Macedo, Marcos Tannuri, João Gabriel Souto e Gabriel Leite) lançou, pela gravadora Acari Records, o CD homônimo, no qual atuou como violonista.

 

Glauber Seixas e o violão 7 cordas de Lineu Bravo

 

Glauber Seixas encomendou seu violão 7 cordas Lineu Bravo em 2009. O luthier deixou um depoimento sobre o cliente: “Mais um grande músico que tenho orgulho em ter como cliente. É muito gratificante saber que meu violão sempre está em boas e talentosas mãos”.

 

Curiosidade

O violonista Glauber Seixas compôs em 2009 a música “Lineu, cadê o meu?”, enquanto esperava o violão encomendado pelo luthier Lineu Bravo.

 

Fonte: Dicionário MPB

Sobre Lineu Bravo

Lineu Bravo é luthier autodidata, apreciador de boa música. Desde cedo, desenvolveu intimidade com a madeira na marcenaria do pai. Construiu o primeiro instrumento aos 14. Desde então, seus violões, cavacos, bandolins e violas têm ido parar nas mãos de grandes músicos. Guinga, Zélia Duncan, Marcus Tardelli, Marco Pereira, João Bosco, Yamandú Costa, Chico Buarque, Ulisses Rocha, Hamilton de Holanda, Ângela Muner, Rogério Caetano, Mauricio Carrilho, Luciana Rabello, João Lyra, Mauricio Marques, Edson Lopes, Alessandro Penezzi, Juarez Moreira, Fernando César, Jayme Vignoli, Flávio Apro, Giacomo Bartoloni, Swami Jr, Rosa Passos, Ana Carolina, Zé Paulo Becker, Douglas Lora e todos os integrantes do Quarteto Maogani são alguns deles.

Informações

A oficina de Lineu Bravo Luthier está localizada em Taubaté, na região do Vale do Paraíba, a 130 quilômetros de São Paulo.

Informações: lineu@lineubravo.com.br